A minha decepção com O Mercado

Esse é um tópico complicado: falar de algo negativo sobre um evento tão legal. E ainda mais, um desabafo…

Hoje a gastronomia está ai, na mídia e é o assunto da vez. Cada vez mais, vemos chefes de lugares renomados, nas ruas, participando cada vez mais de feiras. E com isso, leio cada vez mais, como é complicado aqui no Brasil, fazer esse tipo de coisa na rua mesmo e com incentivo da prefeitura/governo e afins.

Ano passado fui a última edição do O Mercado, feito no Ibirapuera. Muitas barracas, em um lugar enorme, muito bem montado, onde você poderia andar e comer. Foi maravilhoso! Foi em um dia muito quente, sem nuvens, mas o espaço era para isso, tinha cadeiras, lugares cobertos por árvores. Preços bons e acessíveis, com comidas maravilhosas. Mas infelizmente aquela seria a última edição, pois por problemas burocráticos, não poderia vender bebidas alcoólicas e outras razões. Uma pena. Quem sai perdendo era São Paulo.

O que aconteceu daquela edição para esse primeiro do ano? O lugar! Fiquei muito feliz em saber que seria do Centro Cultural São Paulo, um lugar de fácil acesso de metro! Estava muito animada. Infelizmente chegando lá, por voltar de 13h30, existia fila para tudo. Uma multidão estava no lugar. Perguntei onde estaria as barraquinhas que me indicou um corredor.

A ideia era ótima, um corredor, as pessoas pegavam o que queriam comer e sairia do lugar para ir comer em vários lugares que o Centro Cultura São Paulo, tem como um jardim suspenso. Não é? Até porque li no site, SuperChefs, que o próprio Lira Yuri falou, que era essa a ideia, comprar as delicias e subir para comer a vontade.

Mas não foi o que aconteceu. Pessoas sentadas no corredor, filas quilométricas, carrinhos com criança no meio do caminho e quem disse que ao entrar, conseguiria saber? Essa foi a realidade que eu encontrei. Uma decepção com as pessoas! A sensação? Claustrofobia! Além que no meio do caminho, o pessoal do próprio Centro Cultural, tentando controlado a quantidade de gente que estava confinada em um pequeno espaço, gritava com as pessoas ou sendo grossa!

Uma ideia tão legal, mas as pessoas não entenderam muito. Não é a primeira vez que vejo esse tipo de coisa, em uma cidade tão grande, com vários desses tipos de eventos, sendo destruídos pelas pessoas que frequentam.

Vi até no facebook do próprio O Mercado um pedido de desculpas as pessoas que foram ao evento. Vi muita gente reclamando, das mesmas coisas e até coisas que não presenciei em alguns post. Vi também alguns veículos de comunicação falando bem, mas, não é que o evento não fosse bom, mas foi um caos, infelizmente, mas bom não foi.

Sou a favor desse tipo de evento. Acho que só temos a ganhar com a experiência, com a oportunidade!

Infelizmente, fiquei 15min (das qual mais que a metade foi para sair do corredor), consegui meu dinheiro de volta (organização do evento muito boa com isso) e fui para casa, incrivelmente decepcionada ao ver e presenciar o que vi lá.

Olha a foto do O Mercado no Ibirapuera (velódromo):

o mercado - ibirapuera
o mercado - ibirapuera Jarmim
o mercado - ibirapuera

No Centro Cultural São Paulo.

o mercado - Centro Cultural São Paulo

Deixe uma resposta